Plant Based Food

Hoje vou estar com a Margarida George a falar sobre "Plant Based Food" se quiseres participar podes estar aqui a partir das 19h

Posted by Cátia Miranda - Nutricionista Clínica Funcional e Integrativa - Nutricoach on Wednesday, 14 October 2020
Vejam este documentário 🤔
Até quando vais adiar a tua transformação ou tentar sozinho? 🧐💖

 

Deficiência de selénio tem sido reconhecida como um gatilho ambiental para a tiroidite de Hashimoto, assim como na D. Graves (outra doença autoimune da tiroide) pode existir falta de selénio.
O excesso de iodo em ambas as condições autoimunes, Tiroidite de Hashimoto e D. de Graves pode ser prejudicial pelo aumento de peroxido de hidrogénio (radical livre) que resulta da transformação do iodo proveniente da dieta na sua forma biodisponível na tiroide.
Numa situação de bócio o iodo pode ser necessário em quantidades ajustadas a cada indivíduo e condição, mas sempre vigiando através de análises clínicas.
Numa situação de Hipotiroidismo derivada de uma Tiroidite de Hashimoto, com a presença de anticorpos anti TPO e anti TG, o consumo de iodo e consequente formação de peróxido de hidrogénio pode aumentar ainda mais a formação de anticorpos e a tiroide auto destruir-se se não equilibrarmos os micronutrientes.
Isto já não acontece da mesma forma, na presença de quantidades ideiais de Selénio, que é dos minerais fulcrais na função tiroideia, para além de outras funções o selénio faz parte das selenoproteinas da tiroide que promovem a diminuição do peróxido de hidrogénio resultante da absorção do iodo, revertendo os efeitos negativcos do mesmo.
Conclusão deve-se:
-> Evitar aumentar ingestão de iodo através da alimentação ou suplementação na presença de doenças autoimunes na tiroide.

 

-> Solicitar e analisar com o seu médico Endocrinologista ou de Medicina Integrativa ou Funcional os valores de Selénio e Iodo, assim como outros parâmetros importantes par um bom funcionamento da tiroide.
-> Suplementar Selénio de boa qualidade e biodisponibilidade como https://www.pharmanord.pt/produtos/details/bio-selenio, nas doenças autoimunes da tiroide sempre que necessário com acompanhamento médico e do seu nutricionista.

 

-> Ingestão alimentar de selénio, exº castanhas do pará (mas as doses variam muito de região em região e excesso também pode ser prejudicial, nestes casos e perante avaliação do selénio no sangue o mais seguro é suplementar).
-> Excesso de Iodo, com baixos níveis de Selénio na Tiroidite de Hashimoto pode levar a destruição da tiroide pelo aumento de peroxido de hidrogénio.
Uma dose de 200 microgramas por dia foi considerada eficaz para reduzir os anticorpos anti-Tiroperoxidase (TPO) em cerca de 50% em 3 meses.

 

Benefícios do selénio:

• Menos ansiedade
• Melhor conversão de T4 para T3
• Menos anticorpos anti tiroideus
• Mais energia
• Menos perda de cabelo
• Menos palpitações

 

A maioria das vitaminas multi e pré-natal já contém na sua composição 150-250 mcg, nestes casos de gestantes é importante avaliar o status de selénio, uma vez que as necessidades de iodo aumentam e é comum aparecer algumas tiroidites durante ou após o parto.
O Iodo é o elemento fundamental para a síntese das hormonas da tiroide. Quando em níveis insuficientes ou excessivos pode alterar a função da tiroide, comprometendo a sua síntese hormonal.

IODO SEM SELÉNIO É PREJUDICIAL

IDEAL IODO DENTRO DOS VALORES ÓTIMOS COM PRESENÇA DE SELÉNIO, EM ALGUNS CASOS, COMO NA TIROIDITE DE HASHIMOTO

 

O eixo intestino-cérebro é um termo utilizado para a rede de comunicação que conecta o intestino e o cérebro. Sabe-se que o intestino e a sua microbiota também controlam a inflamação e produzem muitos compostos diferentes como os neurotransmissores que podem afetar a saúde do cérebro.

O intestino e o cérebro estão conectados fisicamente através de milhões de nervos, principalmente o nervo vago. Os neurônios são células encontradas no cérebro e no sistema nervoso central que informam o nosso corpo como se comportar. Existem aproximadamente 100 bilhões de neurônios no cérebro humano.

Curiosamente, o intestino contém 500 milhões de neurônios, que são conectados ao nosso cérebro através dos nervos do sistema nervoso.

O nervo vago é um dos maiores nervos que conectam o intestino e o cérebro enviando sinais nas duas direções.

Da mesma forma, estudos demonstram que perturbações mentais como a depressão e sintomas emocionais de ansiedade tem por base a forma como nutrimos este eixo intestino – cérebro. Assim, neste webinar vamos falar e conhecer melhor este eixo intestino- cérebro e responder a esta questão: Depressão e a Ansiedade começa no Intestino ou no Cérebro?

A JUSTNAT convido-o(a) a inscrever-se e assistir, para partilhar consigo este conteúdo:

  • Sistema gastrointestinal, processo digestivo
  • Eixo Intestino-Cérebro
  • Microbiota e Microbioma
  • Disbiose
  • Depressão e Ansiedade: neurotransmissores, probióticos e psicobióticos
  • Alimentos funcionais no eixo intestinal-cérebro
  • Tratamento Nutricional: Programa 6Rs (Remover; Reparar; Recolocar; Reinocular; Reequilibrar e Reavaliar)
  • Suplementos nutricionais de suporte terapêutico

Orador: Drª. Cátia Patrícia Crúzio Miranda (Nutricionista Clínica)

Especialidade em Nutrição Funcional; Mestre em Nutrição Clínica; Licenciada em ciências da Nutrição;
Licenciada em Nutrição e Engenharia Alimentar; Dinamizadora de Workshops e Programas de Nutrição com transformação de estilo de vida e hábitos alimentares numa visão funcional e integrativa; Presença constante em Congressos, Formações e Cursos.

Destinatários: Nutricionistas, TNC (Terapêuticas Não Convencionais), Enfermeiros, Médicos.

Condições de acesso: Detentores de Cédulas Profissionais

Importante: A inscrição só será considerada após e mediante autorização por parte da JUSTNAT. As inscrições são limitadas e estão condicionadas à capacidade da sala online.