Olá eu sou a Cátia!

Sempre procurei a saúde! Disso dou conta hoje.

Nas lembranças da infância saltam as memórias de uma menina na Aldeia, que ia as hortas plantar com os avós, em dias de Todos os Santos se deliciava com tomates em vez de Doces. O meu amor pela Nutrição começou no fascínio que as cores e os sabores dos alimentos como a fruta me traziam. Fui uma criança feliz, mas também frágil. Isso, de certa forma, sempre me incomodou. Aquela sensação de eterno cansaço, de energia a conta-gotas e pouca atividade fazia-me sentir diferente. A nutrição foi o caminho que encontrei para descobrir que, afinal, podia escolher ser a pessoa que deseja ser.

A minha busca pela saúde começou muito cedo.

Devido a alguns problemas de saúde, já em criança sentia-me diferente. Não tinha a energia dos outros, o cansaço era uma constante e, claro, às vezes, a alegria ressentia-se.

Mas, mesmo assim, olhando para trás, acho que nunca desisti de ser mais eu. De conquistar, de correr mais, de querer ser mais. Foi, então, que, na adolescência encontrei a alimentação e todo um mundo novo. Não foi um encontro ao acaso, na verdade, deparei-me com herança da excelente cozinha da minha mãe. Uma herança que recebi de braços abertos. Agarrei nesse dom e transformei-o. E a verdade é que os resultados surpreenderam-me. Quando comecei a estudar mais sobre nutrição, sobre alimentos, sobre as suas cores, texturas, benefícios e malefício, encontrei a minha energia. Em pouco tempo, sentia-me outra. Mais enérgica, sem cansaço, inteiramente feliz.

No entanto, apesar destas melhorias, não contava que uma ligeira perda de peso, decorrente de uma alimentação mais saudável, para quem já era magra, tivesse um impacto tão grande. De repente, dei-me conta que a minha magreza, que nunca tinha sido realmente um problema para mim, era um problema para os outros. E, às tantas, todos os dias era confrontada com comentários sobre ela. E, a dado passo, eu própria já não via mais em mim do que a magreza. De repente, uma realidade que, antes não me consumia, tornou-se no foco da minha vida. E deixei de gostar de mim.

Abandonei todos os hábitos de alimentação saudável e iniciei uma jornada incontrolável pelos doces e por tudo quanto acreditasse que me fizesse engordar. Não engordei. Mas a minha mente não aguentou e o estado de depressão tomou conta de mim.

Foi só quando mudei cidade que o meu mundo se abriu. Ninguém me conhecia e a minha magreza deixou de ser importante. Curiosamente, foi também nesse momento que descobri a razão de todas as fragilidades de criança. Tinha uma doença autoimune (Tiroidite de Hashimoto) que resultou num hipotiroidismo. A minha busca intensificou-se e a paixão pela alimentação também. E quando percebi que o que comemos muda a forma como nos sentimos, recomecei a olhar para mim, recomecei a querer estar bem, recomecei a acreditar que sermos felizes é uma conjunção de fatores, que inclui o corpo, a mente e o espírito.

Hoje, é assim que olho para a nutrição, de forma integrada e funcional, com importância de nutrir o nosso corpo e os nossos pensamentos. Portanto, não como uma forma de chegar, mas como forma de alcançarmos o que somos e continuarmos aí, nesse ponto que nos permite olhar para nós e sermos vistos pelo que somos e acreditamos. Pelo que pensamos e queremos conquistar.

Somos mais do que gramas ou quilos, somos mais do que dietas ou doenças. Somos o resultado do que comemos, mas também do que pensamos, do que acreditamos, daquilo que valorizamos e em que apostamos concretizar. Eu valorizo a saúde, porque essa leva-nos onde quisermos.

Conclui o curso de nutrição e a ele juntei uma série de outros conhecimentos na área de nutrição funcional e desenvolvimento pessoal que me ajudaram a ver os alimentos de um modo completamente diferente. A misturá-los, a conhecer-lhes os seus próprios dons, a fazer deles receitas que nos ajudam a atingir a plenitude, física, mental e espiritual.

Afinal, foram eles, ou a combinação entre eles, que me salvaram, que fizeram por mim aquilo que sessões múltiplas de terapias e consultas médicas não conseguiram. Porque, quando percebemos que somos também o que está dentro, as variações de peso deixam de pesar, passam a ser uma consequência natural das nossas escolhas saudáveis.

Hoje, continuo a estudar para melhor orientar os meus clientes e os meus alunos para que também eles percebam que a alimentação se faz com sentido e que é preciso sempre um sentido para o que queremos. E maioria de nós quer, afinal, ser livre, feliz e saudável. E isso é tão possível quanto o sentido que depositámos nas linhas que entre cruzam a alimentação, o espírito e a mente. Porque, dessas linhas nasce um todo que somos nós.

Saber que dou ao meu corpo o amor e saúde que ele precisa é uma sensação incrível, sinto-me com mais energia e vitalidade. Sim, também tenho os meus dias em que como menos bem, mas o importante é transformarmos algo negativo em algo realmente positivo.

A minha missão é ajudar-te a recuperar esse todo, esse equilíbrio entre as linhas para que possas ter os resultados que desejas. Em qualquer idade, em todas as fases da nossa vida, aumentando a tua longevidade e transformando o teu estilo de vida.

E, então, preparada para fazer da alimentação funcional uma fonte de alegria, saúde e realização?